Post, um recorte de nossas vidas

Quando uma publicação com a foto de uma pia de louça sujas pode se transformar em algo maior…

Lembro que na faculdade de Jornalismo aprendi em uma aula sobre a notícia ser um recorte do olhar do jornalista. Cada repórter conta uma história com dados reais, mas, de uma maneira diferente. Ele leva em conta a interpretação, o viés dele para a notícia, o conhecimento de mundo e outros valores que estão no profissional. Em aula, comparamos várias notícias de um mesmo fato e vimos como as pessoas contam de maneiras diferentes uma mesma história.

Captura de Tela 2016-01-15 às 12.18.05

Ontem, fiz um post no  Instagram falando sobre uma experiência que tive ao lavar louças em casa. Recebi muitos feedbacks positivos, mas, um negativo me fez pensar sobre o tipo de impacto que uma postagem pode ter.

No meu texto falei sobre como gosto de minhas atividades profissionais e como encaro como desafio fazer atividades domésticas. E que descobri, inspirada em Provérbios 31, que a mulher virtuosa ela encara bem seus diversos papeis. Inclusive os domésticos. A minha abordagem no texto foi bem pessoal e sem peso de valor para as mulheres em geral, mas, para algo que tenho vivido.

A mensagem que recebi é de uma mulher, preocupada com a questão de minha postagem estar estimulando o machismo, destacando valores de que mesmo a mulher trabalhando 8 horas por dia, teria como obrigação mais 4 horas cuidando da casa. Enquanto o homem não. Firmando que as atividades domésticas seriam uma obrigação da mulher. Apesar de que não levei este discurso para a minha publicação.

Então, lembrei da aula em que ouvi da professora sobre esta questão do viés de uma informação. Tanto na produção da notícia, do lado de quem produz, quanto, da perspectiva do leitor. Quantas vezes escrevemos A e devido ao background da pessoa, ela entendeu B?

Captura de Tela 2016-01-15 às 12.28.19

Não sou muito de postar sobre coisas muito pessoais, principalmente, atividades domésticas. E isso tudo me fez pensar sobre algo ainda mais profundo, o cuidado que precisamos ter com nossos posts. Linguagem, abordagem, mensagem…

É necessário ter ciência de que nossas postagens e as postagens de outros nas Redes Sociais são apenas um recorte do dia das pessoas. Não significa que é uma bandeira, uma perfeição, só viagens, só trabalho… Pensar assim é senso comum. Existem vários outros fatos ao longo do dia de uma pessoa. Não dá para defini-la apenas por uma publicação.

Observe mais as postagens dos seus amigos e das marcas que você curte. Todos buscam postar sempre o melhor de si, a melhor parte do dia ou aquilo que consideraram mais importante naquele momento. Não quer dizer que o dia daquela pessoa foi assim, que a vida dela é daquela maneira. Posta-se sobre o almoço no Paris 6, no Outback, o look do dia, o livro que está lendo. Mas, quase não vemos prato com arroz, feijão e ovo, a roupa de “casa”, a revista tendenciosa que lemos.

Cada um encara o meio digital conforme as vivências que tem. Eu, entretanto, prefiro continuar postando coisas que acho realmente relevantes, que me representam de verdade. Não quero dizer que estou certa, não me leve a mal. Mas, acho importante refletirmos sobre a mensagem que queremos passar e a que REALMENTE temos passado para as pessoas.

Sobre o post da pia de louças suja, creio que a maioria das pessoas entenderam o que quis dizer. Não é uma bandeira, não é um pensamento retrógrado, não é incentivar nenhum tipo de machismo. Pelo contrário, já vivo com homens no meu cotidiano que ajudam em todo tipo de atividade doméstica. E por isso mesmo, dei valor ao fato de me sentir bem fazendo algo que nunca gostei.

Enviem o feedback de vocês em minhas Redes Sociais:

Facebook | Instagram | Twitter =)