O desafio da Comunicação assertiva no meio cristão

Lembro dos tempos em que cursava minha faculdade de Jornalismo e de princípios da Comunicação que aprendi lá. Uma das coisas mais apaixonantes da minha profissão é exatamente o desafio de comunicar uma informação, com o cuidado de que todos entendam, independente do nível social. Parece algo simples, mas, não é.

Trabalhei para algumas publicações e em redações jornalísticas, como a Rádio CBN (Sistema Globo de Rádio), em Belo Horizonte e o site Lagoinha.com, da Igreja Batista da Lagoinha. A informação é a essência da notícia. Lidávamos com fatos e fontes oficiais, e ainda, sempre com o cuidado de usar a linguagem que atingisse o público da rádio e do site, no caso da Lagoinha. Estes cuidados tem o objetivo de passar a notícia o mais verossímil possível.

Quando falamos sobre o profissional de Comunicação no meio cristão, o desafio é ainda maior. Sabe quando lemos um jornal dividido em editorias? Política, Economia, Esportes, Internacional, Cultura, etc.? Precisamos entender que no meio cristão é tão complexo quanto elas. Com as diferentes denominações, usos e costumes, muitas vezes, os cristãos/evangélicos/protestantes podem não receber a mensagem que queremos passar, simplesmente, porque utilizamos a linguagem errada para falar com eles.

Em algumas instituições não podemos falar meio gospel, por exemplo, e sim, meio cristão, ou ainda, meio evangélico. Há igrejas que não usam as palavras como show ou evento, apenas congressos ou seminários. Alguns falam o termo cristão, outros evangélicos ou protestantes. A aplicação de uma palavra para o público errado, pode soar até como ofensa. São peculiaridades que podem atrair ou afastar o público. Não é uma questão de certo ou errado, mas, como profissionais atuantes neste meio, precisamos entender em qual “editoria” estamos e qual termo é melhor para usar com cada um deles.

Pode até parecer difícil no início, mas, a questão é fazer como apóstolo Paulo nos ensinou em 1 Coríntios 9.19-22: “Sou um homem livre; não sou escravo de ninguém. Mas eu me fiz escravo de todos a fim de ganhar para Cristo o maior número possível de pessoas. Quando trabalho entre os judeus, vivo como judeu a fim de ganhá-los para Cristo. Não estou debaixo da Lei de Moisés; mas, quando trabalho entre os judeus, vivo como se estivesse debaixo dessa Lei para ganhar os judeus para Cristo. Assim também, quando estou entre os não judeus, vivo fora da Lei de Moisés a fim de ganhar os não judeus para Cristo. Isso não quer dizer que eu não obedeço à lei de Deus, pois estou, de fato, debaixo da lei de Cristo. Quando estou entre os fracos na fé, eu me torno fraco também a fim de ganhá-los para Cristo. Assim eu me torno tudo para todos a fim de poder, de qualquer maneira possível, salvar alguns.”

Detalhando um pouco mais sobre a Comunicação, ela não está apenas na fala ou na escrita. Mas, em nosso comportamento, em como nos vestimos ou nos apresentamos. A Comunicação eficiente é aquela que é transmitida com o mínimo de perca possível ao longo do caminho. É entender o contexto de onde está e comunicar-se na linguagem dele.

Para nós mulheres é o mesmo que ao ser convidada para dar uma palestra ou uma palavra em uma igreja, saber qual o uso e costume de lá. Se as mulheres usam saia ou não, se usam maquiagem ou não. Pode parecer algo simples, mas, na verdade, essencial para a eficiência. Neste caso, para que não haja constrangimento, vou de acordo com o costume da igreja local. E qual o objetivo disso? Fazer com que a mensagem que eu carrego seja transmitida da melhor forma possível e que ela não se perca por questões não avaliadas.

Para quem está no meio digital, uma das dicas que mais compartilho é “não entre em briga que não é sua”. Vemos com muita frequência discussões acaloradas nas redes sociais de cristãos que querem dar opinião sobre tudo! Política, futebol, religião e temáticas que mais ofendem do que ganham pessoas para Cristo. A pergunta é: Jesus postaria ou falaria o que temos falado? Muitas vezes chego à conclusão de que ele não faria isso.

Como profissionais e como cristãos é importante pensar e repensar o tipo de comunicação que usamos para alcançar pessoas. Sejam clientes, parceiros profissionais ou seguidores nas redes sociais, que possamos escolher a melhor maneira para comunicar algo.

Elis Amâncio é jornalista profissional com especialização em Comunicação Digital e Mídias Sociais. É consultora, palestrante e professora de Mídias no Centro de Treinamento Ministerial Diante do Trono (CTMDT), no Instituto Nissi de Missões (Jeová Nissi) e na Escola de Discípulos da ADNA. Paulista de nascimento, mineira de coração, nasceu em Guarulhos (SP), e vive na terra do pão de queijo, região metropolitana de Belo Horizonte (MG).

desafio-comunicac%cc%a7a%cc%83o